Sempre gostei muito de moda e sempre procurei acompanhar as tendências com as quais me identificasse. Mas com a maternidade muito coisa mudou…

A maternidade é permeada por mudanças: nova rotina, novas curvas, novas necessidades, o que também se reflete num novo estilo de vestir.

Logo após ao nascimento do meu filho Kevin, tive que adaptar o meu guarda-roupa. Só usava roupas que facilitassem a amamentação, sem que eu precisasse de ficar com o peito de fora em locais públicos. Usava muitas camisas com botões de molas (mais fáceis de abrir) ou qualquer outra blusa que eu conseguisse abrir pela parte da frente.

Como, nesta fase, ainda não tinha perdido todo o peso que havia ganho durante a gravidez, optei por usar roupas mais largas e simples, que não apertasse ou marcasse demasiado o meu corpo (ainda em transformação).

Eu parei, quase que completamente, de usar vestidos! O que foi um pouco estranho/difícil para mim, pois eu sempre gostei de usar peças muito femininas e sentia falta. Pensei que o uso de acessórios salvariam os meus looks/outfits, até à hora em que o meu filho começou a entendê-los como brinquedos.

Depois que o Kevin deixou de mamar e começou a andar, decidi rever o meu guarda-roupa, novamente! “Finalmente vou deixar de lado estas camisas e voltar a usar os meus vestidos!” – pensei eu – até porque já havia perdido todos os “kilinhos” à mais!! Mas daí, o Kevin entrou em modo movimento total, não parava quieto desde que descobriu que as pernas serviam para andar. Eu parecia uma doida, agacha daqui, agacha dali, de repente dava sprints para evitar que ele caísse das escadas ou que fosse parar à piscina. Passei a baixar e levantar umas 30 vezes a cada 2 minutos. Então passei a usar peças de roupa mais confortáveis, versáteis, básicas e descontraídas.

Entretanto o Kevin foi ficando mais independente e consequentemente a mãe também…SÓ QUE NÃO!!

“Grávida?! Quem, tu?! Eu?! Euzinha?!…” Pois é, o Kevin ia ganhar um mano e eu ia voltar a perder a minha total liberdade para escolher o que queria vestir!!

Mas desta vez foi tudo mais tranquilo, mais natural!

Com tudo isto, os eventos sociais também mudaram: os saltos altos foram dando espaço aos ténis e slippers, os acessórios foram ficando mais minimalistas (o que agora, adoro), e o funcional foi assumindo o controle total. Porque, com dois meninos…misericórdia! As minhas tardes de sábado preferidas são as que passo no parque a correr atrás do Kevin (2anos) com o Zion (9meses) ao colo. E fazer isso em cima de umas sandálias de salto alto da Azzedine Alaïa, é quase impossível! Porque eu não sou a Victoria Beckham que sabe se equilibrar em cima de um salto agulha Louboutin com a fofa da Harper ao colo (infelizmente, e parabéns para quem consegue).

Hoje em dia não há muito mistério na hora de me vestir: skinny/boyfriend/mom jeans com t-shirts/blusas básicas com um bom corte, por cima coloco um casaco comprido oversized ou um casaco preto de cabedal, calço uns ténis assinados por estilistas (sim, porque também mereço lol) ou botas com tachas.

Nada de decotes traiçoeiros ou peças difíceis de manter ou ter de estar a ajeitar o tempo todo.

E quando quero muito vestir aquele vestido ou aquela saia, combino antes com o marido “amor, hoje ficas só tu de olho nos miúdos, ok?” Afinal de contas né…eu gosto muito de ser feminina!

E assim vou adaptando o meu estilo à minha “nova” realidade, levando sempre em conta dois aspectos: funcionalidade e personalidade. No final das contas essa realidade vem acompanhada de dois meninos lindos e traquinas que eu AMO mais que tudo!!

Com amor,

Fayema Airosa

(administradora do instablog @fayemaslab)

P.S. – Os  bebés e crianças crescem, as tardes no parque acabam. O sapato de salto alto pode voltar juntamente com os vestidos “bafo”, mas o estilo acaba sempre por mudar, pois a maternidade vem acompanhada da maturidade e de uma nova visão do mundo.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.